Cardiosclerose - o que é e como tratar?

A cardiosclerose é uma patologia acompanhada pelo crescimento e substituição do tecido conjuntivo miocárdico por cicatrizes subseqüentes e pelo comprometimento do funcionamento do músculo cardíaco.

Tais mudanças podem levar ao desenvolvimento de várias doenças ou terminar em morte. A esclerose cardíaca é mais suscetível aos idosos e pacientes com história de DCV.

Quando os primeiros sintomas alarmantes da doença aparecerem, você deve consultar um cardiologista.

O que é isso?

A esclerose cardíaca é a patologia do coração, na qual ocorre a proliferação de tecido cicatricial conectivo do miocárdio, seguida pela substituição de fibras musculares. Isto implica a deformação do coração bufa - válvulas.

Os focos patológicos são formados no local da morte das fibras miocárdicas. Como resultado deste processo, hipertrofia compensatória do miocárdio se desenvolve primeiro e, em seguida, dilatação cardíaca, acompanhada pelo desenvolvimento de insuficiência valvar relativa. A cardiosclerose geralmente se desenvolve no contexto da doença aterosclerótica, doença cardíaca isquêmica, miocardite e distrofia miocárdica.

Na presença de processos inflamatórios no miocárdio, esta patologia pode se desenvolver, independentemente da idade do paciente. Com patologias do sistema cardiovascular, ocorre principalmente em idosos.

Classificação

Em cardiologia, os seguintes tipos de cardiosclerose são distinguidos:

  1. Aterosclerótica. Tal cardiosclerosis desenvolve-se e progride no contexto de CHD. O processo de formação de placas de colesterol e o bloqueio do lúmen vascular com o estreitamento subsequente podem continuar por vários anos. Devido à circulação sanguínea prejudicada, os tecidos saudáveis ​​são gradualmente substituídos por tecido conjuntivo, o que leva à formação de cicatrizes.
  2. Primária ou congênita. A doen desenvolve-se no contexto do doente com doens sisticas que afectam os tecidos conjuntivos. Tais patologias podem ser hereditárias ou podem surgir no período de desenvolvimento intra-uterino do feto.
  3. Pós-infarto, que se desenvolve após um paciente ter sofrido um infarto do miocárdio. As cicatrizes resultantes complicam significativamente o trabalho do músculo cardíaco.
  4. Miocardite Tal cardiosclerosis desenvolve-se abaixo da influência de patologia que pode ter um efeito negativo no coração - tonsilite, tonsilite, sinusite, sinusite, etc.

A classificação segundo o grau de sintomas de cardiosclerosis divide-o em:

  • focal, para o qual uma característica é a formação de "ilhas" de tecido cicatricial, que podem ter tamanhos diferentes e violar a atividade contrátil do coração;
  • difusa, acompanhada pelo crescimento gradual de uma área específica na forma de uma cicatriz contínua.

Causas do desenvolvimento

Antes de cicatrizar o miocárdio, suas células são destruídas. Esse processo pode ser desencadeado por:

  1. Aterosclerose dos vasos do coração. A circulação sanguínea constantemente prejudicada nos tecidos do miocárdio, mais cedo ou mais tarde, leva à sua distrofia. É precisamente a perda de sua estrutura e subsequente destruição que dá origem à formação de cicatrizes.
  2. Doença cardíaca isquêmica. Esta doença tem uma relação estreita com a aterosclerose, mas é caracterizada por danos nas artérias coronárias. Em comparação com a etiologia aterosclerótica, a gênese isquêmica da cardiosclerose é manifestação mais intensa dos sintomas.
  3. Infarto do miocárdio, durante o qual parte do músculo cardíaco morre, e uma cicatriz é formada no local das células mortas.
  4. Miocardite - um processo inflamatório que afeta o tecido cardíaco. Nos locais de focos de inflamação inicia-se a formação de áreas cicatriciais.
  5. Cardiomiopatia ou cardiodistrofia. Estas doenças provocam várias alterações no coração: hipertrofia (aumento), compressão, expansão. Todos esses processos interrompem a nutrição do coração, causando a morte dos cardiomiócitos com o desenvolvimento da esclerose.
  6. Hipertensão Arterial Maligna. Devido ao aumento constante da pressão arterial no coração, é criada uma carga excessiva e excessiva.
  7. Diabetes Mellitus Com esta doença endócrina, as células do corpo inteiro sofrem de falta de oxigênio. Como resultado, ocorre o desenvolvimento de distrofia, depois destruição e endurecimento dos cardiomiócitos.

Uma pessoa que tenha tido alguma dessas doenças ao longo de suas vidas está automaticamente em risco. Isso significa que a cardiosclerose pode se desenvolver a qualquer momento da vida, mesmo que a patologia predisponente tenha sido curada há muito tempo.

Sintomas e primeiros sinais

No início, a doença não se faz sentir, mas à medida que o paciente progride, o paciente exibe os primeiros sinais de alerta no formulário:

  • falta de ar, que, a princípio, ocorre apenas durante o exercício e depois em repouso;
  • taquicardia;
  • murmúrios cardíacos;
  • arritmias;
  • hipertensão;
  • fraqueza;
  • diminuição da capacidade de trabalho;
  • tosse noturna;
  • dores no peito;
  • branqueamento da pele;
  • mãos e pés frios;
  • náusea;
  • tontura;
  • fraco ou síncope;
  • aumento da sudorese.

Se ocorrer arritmia e insuficiência cardíaca, este é um sinal da rápida progressão da cardiosclerose. Esta doença é considerada uma das lesões mais graves do sistema cardiovascular. Se não tratada, a patologia pode provocar complicações sérias e, às vezes, levar à morte.

A este respeito, a manifestação dos sintomas anteriormente considerados deve contactar imediatamente um cardiologista.

Diagnóstico

Os exames laboratoriais de sangue não são considerados um método informativo de pesquisa, uma vez que as formações de colágeno na área do miocárdio não afetam os parâmetros sanguíneos de forma alguma. Mas é necessário realizar tais testes para averiguar a possível causa do processo patológico.

Entre os métodos de diagnóstico instrumental para suspeita de cardiosclerose, o valor diagnóstico tem os seguintes resultados:

  1. Eletrocardiografia O procedimento ajuda a determinar em qual parte do coração ocorreu o crescimento das estruturas do tecido conjuntivo. Com base nesses resultados, o médico será capaz de identificar a presença de um foco patológico, o que lhe dará a oportunidade de prescrever o tratamento adicional necessário.
  2. Ecocardiografia (ultra-sonografia do coração). Este é o método diagnóstico mais informativo utilizado na cardiosclerose. Em fotografias coloridas, pode-se ver claramente os tecidos crescidos, determinar seu tamanho e localização exata. Muitas vezes recorrem a ecocardiografia de superfície, durante a qual o sensor é colocado na pele do tórax na projeção do coração. Assim, na tela da máquina de ultra-som aparece uma imagem colorida clara, que é uma leitura cuidadosa da informação.
  3. Cintilografia Esta manipulação diagnóstica se distingue pelo seu alto custo e, portanto, não é particularmente popular na Rússia. A essência do método: o paciente é injetado com radioisótopos feitos com base no tálio. Sua distribuição no coração é julgada no grau de sua derrota. Na presença de áreas onde o isótopo está ausente, eles falam de circulação sanguínea prejudicada em uma parte específica do miocárdio, que, por sua vez, pode ser um sinal de cardiosclerose. A cintilografia é completamente segura para a saúde, mas não é um procedimento diagnóstico obrigatório.

Tendo identificado a patologia, o médico pode seguir para o estágio principal - seu tratamento.

Complicações

A cardiosclerose não tratada é repleta de complicações sérias. Em particular, é possível desenvolver insuficiência cardíaca aguda, fibrilação ventricular, tromboembolismo, ruptura do aneurisma do ventrículo cardíaco esquerdo.

Para evitar tais complicações, é necessário procurar ajuda de um médico a tempo e passar o diagnóstico prescrito para eles. Se houver um batimento cardíaco anormal, a cirurgia é possível, se houver necessidade. Os anticoagulantes também podem ser prescritos (por exemplo, varfarina), mas essa terapia requer avaliação regular dos parâmetros sanguíneos laboratoriais.

Tratamento de cardiosclerosis

O único e completamente eficaz método de se livrar da cardiosclerose não existe. Primeiro de tudo, diz respeito à medicação. Não existem drogas que contribuam para a reabsorção de cicatrizes e restaurem as células saudáveis ​​do coração em seu lugar. Portanto, o tratamento conservador da cardiosclerose dura, sem exagero, uma vida inteira.

A terapia básica é realizada por um cardiologista. Mas se o paciente tiver complicações da doença, então especialistas de outros perfis também podem estar envolvidos.

Durante o exame, o paciente está no hospital. Após a relativa estabilização de sua condição, ele é transferido para tratamento ambulatorial. Em terapia adicional sintomática e de suporte.

O tratamento de cardiosclerosis visa:

  • eliminação das causas da patologia;
  • exclusão do efeito de fatores provocantes no corpo;
  • detenção de sintomas de insuficiência cardíaca;
  • prevenção de complicações;
  • preservando a capacidade do paciente de trabalhar e manter sua qualidade de vida em geral.

Para atingir esses objetivos, é necessário:

  • cirurgia cardíaca;
  • cirurgia paliativa;
  • farmacoterapia;
  • dietoterapia;
  • levando um bom estilo de vida.

Tratamento medicamentoso

A escolha de medicamentos para cardiosclerose depende da gravidade da ICC e da intensidade dos outros sintomas. O objetivo das preparações médicas específicas e a determinação de sua dosagem é a tarefa do cardiologista, que ele decide com base nos resultados obtidos do exame do paciente.

O autotratamento, neste caso, é categoricamente inaceitável e pode ter consequências muito sérias. A maioria das drogas usadas na cardiologia para tratar doenças do coração tem muitas contraindicações e pode causar vários efeitos colaterais.

Para o alívio de sintomas do fracasso de coração que se desenvolveu no contexto da cardiosclerosis, é aconselhável usar:

  • Inibidores da ECA;
  • glicosídeos cardíacos;
  • bloqueadores beta;
  • antagonistas da aldosterona;
  • drogas diuréticas.

Tais drogas normalizam a atividade do coração e também contribuem para a regulação da carga colocada sobre ele. Os médicos geralmente combinam várias drogas de diferentes grupos ao mesmo tempo, o que alivia enormemente os sintomas da ICC.

É possível complementar o tratamento com outros medicamentos - depende de quais sintomas, além do descrito anteriormente, atormentam o paciente. Dependendo da condição geral do paciente, da resposta terapêutica, da tolerância do medicamento prescrito e de sua combinação com outros medicamentos, sua dosagem pode variar.

A fim de evitar coágulos sanguíneos, medicamentos antiplaquetários são prescritos. Eles diluem o sangue e evitam a aderência das plaquetas. Se houver uma arritmia cardíaca, então o paciente é mostrado recebendo medicamentos antiarrítmicos.

Nutrição e dieta

A terapia medicamentosa deve ser combinada com uma dieta. Mudar a dieta é necessário para reduzir a carga sobre o coração, o que facilitará seu trabalho. Isso reduz significativamente o risco de morte na cardiosclerose.

Assim, o paciente deve:

  • parar completamente de beber e fumar;
  • minimizar o esforço físico;
  • regularmente passar por exame por um cardiologista;
  • cura oportuna doenças contagiosas agudas;
  • combater distúrbios hormonais;
  • evite situações estressantes.

Se você seguir essas regras, as previsões de sobrevivência e recuperação relativa serão favoráveis. Se você ignorar tais recomendações, mesmo a administração regular de medicamentos prescritos não impedirá a progressão da patologia.

Dieta para esclerose cardio - uma medida obrigatória. Destina-se a reduzir a concentração de colesterol nocivo no sangue. Isso, por sua vez, reduz a probabilidade de desenvolver aterosclerose das artérias coronárias.

É importante reduzir o consumo de sal para 5-6 por dia. Com curso severo de cardiosclerose, a dose deste produto é reduzida para 3 g, 1,5 líquidos por dia são permitidos, incluindo chá, sucos, compotas e refeições líquidas. Tais atividades contribuem para a redução do CBC, evitando assim sobrecarregar o coração.

Com cardiosclerosis, os pacientes são aconselhados a abandonar completamente:

  • picles;
  • carne defumada;
  • carnes gordurosas;
  • manteiga;
  • chás fortes e café;
  • chocolate;
  • álcool.

Produtos de farinha podem ser consumidos, mas em quantidades limitadas.

É muito útil para cozinhar refeições de cereais, comer carne cozida, frutas e legumes frescos. Deve-se dar ênfase especial a produtos enriquecidos com potássio - frutas secas, bananas, passas, etc. Esse elemento é bem combinado com glicosídeos cardíacos e aumenta seu efeito quando tomados em conjunto.

A ingestão calórica diária de alimentos é de 1800 - 2600 kcal. Isso permite reabastecer a reserva de energia do corpo, mas sem estresse excessivo (especialmente no coração) com atividade física limitada.

Mudanças podem ser feitas na dieta (em 20 a 30% do valor energético dos produtos) apenas em dois casos: se o paciente tiver obesidade e caquexia estiver esgotada. Tais violações pioram automaticamente a previsão, portanto, a correção do menu é necessária. Para desenvolver adequadamente uma dieta, você precisa entrar em contato com um nutricionista.

Operação

A operação é realizada apenas com cardiosclerose complicada. Pode ser executado de várias maneiras:

  1. Transplante de coração. Este é o único método eficaz para o tratamento completo da cardiosclerose. No entanto, a cirurgia é realizada somente se o débito cardíaco for reduzido para 20% ou menos das normas geralmente aceitas, bem como com a ineficácia total da farmacoterapia. O transplante cardíaco só é possível se o paciente não tiver patologias comórbidas dos órgãos internos, acompanhadas por um curso grave.
  2. Desvio de vasos coronários. Tal operação é realizada com o estreitamento patológico e rápido do lúmen vascular.
  3. Implantação de um marcapasso. Tal intervenção é realizada com cardiosclerose, acompanhada de arritmias cardíacas graves.

Se um aneurisma cardíaco é formado no fundo da doença, também é removido cirurgicamente. Durante a cirurgia, a área afetada é removida ou fortalecida, o que ajuda a prevenir a ruptura de um miocárdio enfraquecido.

Estilo de vida com cardiosclerose

Ao fazer um diagnóstico de "cardiosclerose", o paciente deve fazer check-ups preventivos com um cardiologista a cada 6 a 12 meses. Se necessário, ele pode ser encaminhado para especialistas de outros perfis - um endocrinologista, um clínico geral ou um cirurgião cardíaco para um exame completo e versátil.

Um papel crucial é desempenhado pela observância das regras de um estilo de vida saudável. É necessário esquecer-se de fumar e álcool, em vez disso recomenda-se fazer a ginástica dos núcleos, preferivelmente ao ar livre. Cargas cardíacas moderadas fortalecerão o músculo cardíaco, tornando-o mais durável e resistente.

Durante as primeiras 2 semanas após sofrer um infarto do miocárdio, é importante ficar na cama e descansar mais, de preferência ao ar livre. É necessário evitar o estresse e ir para a dieta correta.Durante as primeiras semanas após sofrer um ataque cardíaco, o tecido está ativamente cicatrizando, portanto, quaisquer efeitos negativos podem causar sérias complicações.

Todas as patologias cardíacas carregadas com o desenvolvimento de cardiosclerose requerem o cumprimento de uma dieta com restrição de sal, alimentos gordurosos, álcool e produtos de tabaco. Proibidos são pratos afiados, defumados e gordurosos. Em vez disso, você precisa comer mais vegetais, frutas, laticínios, carne magra e peixe. Se a cardiosclerose não estiver associada à doença cardíaca, as características da dieta serão discutidas individualmente com um especialista.

Prevenção

A melhor prevenção da esclerose cardiorrespiratória é a detecção oportuna e a cura completa de todas as patologias cardíacas existentes. Claro, se houver tal oportunidade. O mais perigoso do ponto de vista do desenvolvimento da doença considerada são as seguintes patologias do sistema cardiovascular:

  • hipertensão arterial;
  • ASB;
  • CHD.

A fim de evitar o desenvolvimento de cardiosclerose, os médicos recomendam:

  • siga uma dieta;
  • levar um estilo de vida saudável e correto;
  • exercício diário com a realização de esforço físico viável;
  • erradicar completamente os maus hábitos e vícios (por exemplo, café ou chá forte);
  • medir regularmente a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangue.

Importante é a ingestão regular de complexos multivitamínicos, que incluem ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6, vitaminas do complexo B, vitamina PP. Paralelamente, é necessário detectar e curar doenças concomitantes e lesões de outros órgãos internos - os rins, a glândula tireóide, o sistema hematopoiético.

Previsão

Em 40% dos casos, a cardiosclerose ocorre de forma não complicada e, portanto, não acarreta quaisquer consequências perigosas para a saúde ou a vida do paciente. A principal causa de complicações graves reside na presença de patologias cardíacas primárias, ou a sua ocorrência no contexto de cardiosclerose já existente.

Muito perigosa é esta doença, que surgiu após o infarto do miocárdio. Em 50-60% dos casos, termina em bloqueios graves. Mas com a intervenção médica oportuna, em 75-85% das situações, a doença não afeta a qualidade de vida do paciente se ele observa todas as recomendações dadas pelo médico assistente.

Deixe O Seu Comentário