Aspergilose - o que é e como tratar?

Aspergilose - doenças de etiologia fúngica, cujos agentes causadores são fungos do fungo Aspergillus. Eles podem afetar não só a pele, mas também as membranas mucosas dos órgãos internos.

O grau e a profundidade de penetração dos fungos patogênicos também podem ser diferentes. Devido às características deste tipo de micose, o seu estudo é realizado não só por especialistas no campo da dermatologia, mas também pneumologistas, oftalmologistas, otorrinolaringologistas, etc.

Nos últimos anos, a incidência desta patologia aumentou em 20%. Pacientes infectados pelo HIV, pessoas com imunodeficiência, usuários de drogas injetáveis ​​são os mais afetados. Pessoas que tomam antibióticos de forma incontrolável, bem como pacientes com câncer submetidos à medicação imunossupressora, também estão em risco de infecção por aspergilose. Como complicação, a doença pode se desenvolver após o transplante de órgãos.

O que é isso?

Aspergilose é um termo para um grupo de micoses causadas por fungos aspergillus. As doenças mais comuns desta etiologia são aspergilose broncopulmonar alérgica, aspergiloma, aspergilose pulmonar invasiva.

Muitas pessoas inalam diariamente aspergillus com o ar, mas a doença se manifesta apenas em pessoas com imunidade fraca. Este tipo de micose pode levar a complicações graves, incluindo morte, em pacientes com leucemia aguda, bem como em pacientes submetidos a transplante de células hematopoiéticas.

Na maioria das vezes, no sangue de pessoas infectadas, o fungo Aspergillus fumigatus é detectado.

Agente causador e rotas de infecção

Os fungos do fungo Aspergillus que causam aspergilose são muito resistentes ao calor. A condição ideal para sua reprodução é um ambiente úmido. Na maioria das vezes, a doença é provocada por fungos do gênero Aspergillus fumigatus, menos freqüentemente pelo Aspergillus vlavus. O Aspergillus niger é extremamente raro no corpo dos pacientes.

Fungos deste tipo podem ser identificados em áreas residenciais, bem como na superfície de alimentos estragados. Ao longo de sua vida, aspergillis secretam um grande número de alérgenos que provocam fortes reações alérgicas. Muitas vezes há uma lesão dos pulmões, que leva ao desenvolvimento de aspergilose broncopulmonar. Alguns tipos de aspergillus secretam endotoxinas, que causam intoxicação do corpo.

Estes fungos são resistentes a condições de seca e podem estar presentes em partículas de poeira. O efeito da solução de formaldeído e ácido carbólico é prejudicial para aspergillus.

O mecanismo da infecção é doença transmitida pelo ar e a transmissão direta ocorre pelo ar e pela poeira. Mas existem certos grupos de pessoas que, devido às suas características profissionais, são propensos a esta doença. Isto é:

  • funcionários de complexos agroindustriais;
  • fiação e tecelagem de trabalhadores;
  • pacientes com imunossupressão submetidos a tratamento hospitalar.

A infecção por aspergilose também é possível se já estiverem presentes no corpo humano ou estiverem em sua pele. O principal fator predisponente para o desenvolvimento da aspergilose é a imunodeficiência. Neste contexto, existem frequentemente diferentes tipos de micoses, a maioria das quais apenas é ocupada por aspergilose.

Uma pessoa infectada por Aspergillus não representa um perigo para os outros: nenhum caso de transmissão de doenças foi registrado. Também não há dados sobre a presença de surtos sazonais de patologia entre a população.

Depois de sofrer aspergilose, o paciente desenvolve imunidade. No entanto, não diferem na persistência, portanto, em pacientes com estados de imunodeficiência, recidivas desse tipo de micose são possíveis.

Impacto no corpo humano

A infecção penetra principalmente pelo trato respiratório superior. No início, as aspergilas estão localizadas na superfície das membranas mucosas, mas gradualmente se aprofundam, provocando a formação de feridas.

As características do impacto da doença no corpo humano são as seguintes:

  1. Mesmo em uma pessoa absolutamente saudável, a inalação de grandes quantidades de aspergillus pode desencadear o desenvolvimento de pneumonia intersticial. Com esta doença, forma-se aspergillus - granulomas específicos contendo exsudato purulento e formados a partir de células epiteliais gigantes. Eles têm uma forma esférica, e em seus conteúdos purulentos são as hifas de fungos patogênicos. Normalmente, os aspergiloma estão localizados nos tecidos das regiões pulmonares superiores, e isso é claramente visível na radiografia. Fungos podem ser encontrados nos brônquios, cavidades pulmonares, cistos e focos de bronquiectasia. Aspergillus não penetra diretamente no tecido pulmonar, portanto, esta forma da doença é chamada aspergilose não invasiva.
  2. Aspergillosis muitas vezes desenvolve-se no contexto da imunodeficiência. Há casos do desenvolvimento de patologias de órgãos internos, membranas mucosas e pele. Por exemplo, abscesso ou câncer de pulmão, tuberculose - uma patologia em que ocorre o desenvolvimento de aspergilose pulmonar. Nas últimas décadas, esta doença fúngica é cada vez mais comum em pacientes com HIV e AIDS.
  3. Existe também uma forma invasiva de aspergilose, na qual ocorre dano aos órgãos internos. No número esmagador de casos, manifesta-se em pessoas com imunodeficiência. Em 90% dos pacientes, uma das três características diretamente relacionadas à manifestação dessa aspergilose é detectada:
  • tratamento de GCS;
  • tomar citostáticos;
  • o nível de granulócitos no sangue é inferior a 500 unidades.

Na aspergilose invasiva, os fungos invadem os tecidos dos órgãos internos, juntamente com a corrente sanguínea. Primeiro, eles afetam os pulmões, então - a pleura e os gânglios linfáticos, e posteriormente se instalam em outros órgãos. Os aspergilomas com conteúdos purulentos neste caso localizam-se na área afetada do órgão interno. No lugar de granulomas, os abcessos muitas vezes formam-se, assemelhando-se em suas características um processo séptico. Neste caso, a mortalidade é quase 50%.

Aspergillus - os alergênios mais potentes que podem levar ao desenvolvimento de reações alérgicas intensas. Neste cenário, os ramos da árvore broncopulmonar afetaram principalmente os sintomas associados a esse processo.

Sintomas de aspergilose

A forma pulmonar da aspergilose é manifestada pelos seguintes sintomas:

  • tosse com uma secreção acinzentada;
  • obstrução brônquica;
  • ataques freqüentes de fraqueza;
  • hemoptise;
  • perdendo peso

Com a progressão da infecção fúngica, a pneumonia se desenvolve. Caracteriza-se pela ocorrência de tais sintomas:

  • febre atípica;
  • arrepios;
  • tosse com secreção mucopurulenta;
  • falta de ar severa;
  • dores no peito;
  • cheiro mofado da cavidade oral.

No estudo dos fungos do bolor esporo Aspergillus são detectados.

Se um paciente com aspergilose sofre de outras doenças do sistema respiratório (bronquite crônica, pneumonia, tuberculose ou câncer de pulmão), a adição de aspergilose só pode agravar a situação. Em paralelo, uma lesão encapsulada formada por muco, fibrina, elementos celulares e hifas de aspergilo pode começar a se formar nos tecidos do órgão do paciente. Em tal situação, eles falam sobre o aspergiloma dos pulmões. Esta situação ameaça abrir hemorragia pulmonar maciça, assim como asfixia. Ambas as complicações são igualmente perigosas para a vida do paciente, portanto requerem intervenção médica imediata.

Com a derrota de órgãos ENT aspergilli pode desenvolver:

  • otite externa ou média;
  • amigdalite fúngica ou faringite;
  • rinite;
  • sinusite.

Com o desenvolvimento da otite aspergillus, os pacientes sofrem de:

  • hipertermia;
  • coceira na parte externa do canal auditivo;
  • descamação da pele do ouvido;
  • o aparecimento de uma descarga friável de uma tonalidade acinzentada no processo auditivo (o exame microscópico dessas secreções revela hifas de aspergilo);
  • dores pontiagudas no ouvido (aparecem apenas se o processo patológico afetou o tímpano).

Infecção por Aspergillus também pode afetar os seios paranasais, provocando o desenvolvimento de sinusite fúngica, etmoidite, sinusite frontal. Também é possível anexar a infecção ao aparato visual, que é repleto de:

  • conjuntivite;
  • ceratite nodular;
  • panoftalmite;
  • blefarite ulcerativa;
  • dacriocistite;
  • blefaromioite;
  • uveíte;
  • ulceração na superfície da córnea;
  • glaucoma;
  • cegueira.

A aspergilose cutânea é acompanhada por:

  • eritema;
  • a formação de infiltrados;
  • prurido leve;
  • a aparência de escamas marrom.

Com a derrota dos fungos da unha, eles adquirem uma tonalidade marrom-esverdeada ou amarelada na área afetada. Além disso, a placa ungueal se torna fina, começa a desmoronar e esfoliar.

Em alguns casos, a aspergilose afeta o trato gastrointestinal. Esta violação é acompanhada por sintomas de gastrite e enterocolite, nomeadamente:

  • dor severa no estômago ou intestinos;
  • o aparecimento de odor de bolor da boca;
  • náusea;
  • vômito;
  • diarréia;
  • inchaço.

A aspergilose generalizada é caracterizada pela disseminação de fungos dos tecidos do foco primário (por exemplo, os pulmões) para outros órgãos. Neste contexto, o desenvolvimento é possível:

  • abscesso cerebral;
  • encefalite;
  • endocardite;
  • meningite;
  • jade;
  • hepatite;
  • miocardite;
  • patologias do trato digestivo;
  • lesões ósseas;
  • doenças otorrinolaringológicas, etc.

Quando o Aspergillus penetra no sangue, desenvolve-se a sépsis de Aspergillus, na qual o risco de morte aumenta significativamente.

Diagnóstico

Com base nas queixas do paciente, o médico pode fazer um diagnóstico preliminar. Mas isso requer verificação obrigatória, já que as táticas da terapia dependerão diretamente dela. Em quase 100% dos casos, a aspergilose é “in absentia” colocada em pacientes que tomam medicamentos que suprimem a imunidade.

Para confirmar ou negar a presença da doença, ajude:

  • análise clínica geral de sangue (com aspergilose, aumento de VHS, eosinofilia e leucocitose);
  • teste sorológico de anticorpos;
  • teste para determinar o nível de imunoglobulina E;
  • expectoração bakposev;
  • exame microscópico de raspados de membranas mucosas;
  • amostragem de cerca e estudo.

Além disso, é possível:

  • radiografia;
  • broncoscopia;
  • Tomografia computadorizada;
  • biópsia aspirativa;
  • lavagem broncopulmonar.

É importante diferenciar a aspergilose de outras micoses, processos oncológicos, tuberculose ou abscesso pulmonar. Quanto mais cedo o diagnóstico for feito e esclarecido, mais bem sucedido será o tratamento.

Tratamento de Aspergilose

O tratamento da aspergilose pode ocorrer em regime de ambulatório ou de internamento. A escolha das táticas e métodos terapêuticos depende da forma da doença, da gravidade do seu curso, da presença ou ausência de complicações, da localização da lesão do processo patológico e de alguns outros fatores. O processo de tratamento é organizado por um especialista especializado após a identificação do órgão afetado.

Se falamos de terapia antifúngica, é realizado através do uso de:

  • Anfotericina B;
  • Flucitosina;
  • Kaspofungina;
  • Voriconazol;
  • Intraconazol.

Tais preparações destinam-se a administração oral, injeção ou inalação.

A aspergilose, como já observado, pode afetar não apenas os órgãos internos, mas também a pele, membranas mucosas e placas ungueais. Se o paciente foi diagnosticado com tal forma do processo patológico, então o doutor deve executar um tratamento completo (reorganização) de todo e qualquer foco do processo infeccioso-inflamatório. Para isso, recomenda-se o uso de medicação antibacteriana, antisséptica e antimicótica.

A terapia antifúngica continua, geralmente por 1 a 2 meses. No entanto, tudo é puramente individual e, às vezes, o médico precisa estender o curso do tratamento por até 3 meses.

Previsões

O mais favorável em termos de projeções futuras é a forma da doença é aspergilose da pele e membranas mucosas. Mas a micose pulmonar em 30% dos casos é fatal. Em pacientes imunocomprometidos, a taxa de mortalidade é ainda maior, em quase 50%.

Na forma séptica da aspergilose, o prognóstico é ainda mais desfavorável do que em outros tipos da doença.

Prevenção

Os pacientes que estão em risco devem ser guiados por certas regras. Sua observância ajudará a prevenir o desenvolvimento de aspergilose, impedindo que seu patógeno entre no corpo. Para isso é importante:

  • manter um nível ótimo de umidade na casa;
  • combater o molde em áreas residenciais;
  • monitore cuidadosamente a limpeza dos banheiros e sanitários, porque é nessas salas que a umidade alta é observada com mais frequência, e o mofo aparece;
  • monitorar constantemente a limpeza da geladeira, pois este é outro local favorito para fungos de mofo. É necessário não só lavar as prateleiras e os departamentos do refrigerador, mas também limpá-lo regularmente da comida estragada.

A prevenção, como o tratamento da aspergilose, deve ser abrangente e versátil - só assim é possível prevenir uma doença que pode não apenas prejudicar a saúde, mas também ameaçar a vida humana.

Deixe O Seu Comentário